-->

segunda-feira, 24 de julho de 2017

NO CAMPO DO DESAPEGO, O AMOR FLORESCE


Salve, meus queridos.

Vocês já devem ter ouvido falar na diferença entre amor e paixão. Essas duas coisas que, por muito tempo, tem sido confundidas como sendo a mesma e única coisa. Mas não, não são a mesma coisa. As pessoas tem entendido que amar é possuir, é apegar-se, é querer para si, é aprisionar... mas amar, gente do bem, é libertar. Se você ama verdadeiramente alguém, então você deseja a felicidade para aquela pessoa. Isso é: você deseja que a pessoa voe, que ela faça suas próprias escolhas e que ela seja feliz de acordo com o que ela deseja. Você simplesmente permite que ela seja ela mesma. Isso é amar. Isso é amor!

Porém, por muito tempo, desde que a humanidade é conhecida como humanidade, as pessoas tem entendido que amor é quando você possui alguém para si. O ato de possuir alguém é simplesmente aprisionante e sufocante, o contrário do que o amor é - libertador e suavizante! Damos o nome à esse apego, à esse desejo de posse, de paixão. A paixão não é amor, ela é a necessidade de possuir o outro. No campo da paixão, não pode existir amor, apenas apego, ilusão, egoísmo e separatividade. A maioria dos conflitos nas relações nos dias de hoje, tem início e tem como raiz esse apego gerado na paixão, onde as pessoas entendem que o parceiro ou parceira deve ser dele(a). Meus queridos, eu lhes pergunto: Pode o Amor aprisionar alguém? Pode o Amor possuir alguém dentro de uma caixinha para si? Obviamente que não!

O Amor é liberdade, é alegria, é expressão, é felicidade! O Amor só pode florescer no campo do desapego e da liberdade. Quando amamos alguém, não devemos tentar possuir essa pessoa, mas sim, deixá-a viver, deixá-la caminhar, deixá-la se expressar como ela é. Quando amamos, desejamos que o outro seja feliz. Isso é querer bem, é querer o bem ao outro.

E muitos se perguntam nesse instante: Mas como faço para desenvolver esse desapego? Como faço, então, para amar alguém de verdade ao ponto de poder deixar a pessoa livre, sem as amarras do meu ego? A resposta é: Comece amando por si mesmo(a)! Como pode você amar e desejar de sinceridade que o outro seja feliz, se você nem mesmo se ama e é capaz de ser feliz você consigo mesmo(a)? Se você deseja amar alguém, ame primeiro a você mesmo. Isso abrange a auto-aceitação, a auto-estima, o auto-perdão, a auto-confiança, a auto-ajuda... o auto-amor!

O Amor, meus amados, é a expressão mais bela deste Universo sem fim. É a Energia mais poderosa, mais incrível, que manifesta Deus em todos os lugares e em todos os tempos. O Amor, Seres de Luz, é a Fonte inesgotável das bênçãos dos céus para todos, em todos os momentos. Basta que nos conectemos a essa realidade interior de pureza de nosso Eu. Quando nos apegamos demasiadamente ao externo e aos outros, esquecendo dessa Fonte de Amor que há em nós - que é Deus - acabamos apenas criando discórdias para nossa realidade.

Meus queridos, é momento de amor. É momento de Amar. É momento de Sermos UM.

Bênçãos inesgotáveis da Luz Maior.
Namastê!

Texto: Cristian Dambrós


Nenhum comentário:

Postar um comentário